O dia que o Mike Tyson baixou em mim

Nunca vou esquecer a primeira saída com os amigos e a Tata. Fomos a um restaurante no início da noite para um jantar de aniversário de um querido amigo. Não tava tensa nem nada, mas iríamos apresentar nossa filha e como já havíamos anunciado por Facebook, todo mundo tava ansioso pra conhece-la. Foi bem legal, ela foi muito bem recebida.

Dai que entre os convidados havia uma mulher que eu não conhecia. Ela era gentil, um tanto mais velha que eu e estava com o filho e o marido. Ela então se aproximou e começou a conversar com a Tata, que foi se soltando.

Em um momento ela convidou a Tamires pra dar uma voltinha com ela e as outras crianças. Meu impulso foi: tá loka nega, nem a pau. Mas me contive e disse: vai filha. Ela desceu do meu colo, pegou na mão da mulher e foi ver os peixinhos que tinha no laguinho no local.

Acho que minha cara de desespero  foi tão perceptível que minha amiga disse: não se preocupe, ela é professora de primário, por isso esse jeito todo com crianças, todas adoram ela! Ok. Legal. Só que meu estômago não ficou menos gelado com a informação.

Passado um tempinho, fui lá ver como estava a tal voltinha. As crianças todas sorrindo e a Tata no colo da tal mulher. Me aproximei e disse: vem filha! Pra minha total supressa ela se agarrou no pescoço da mulher e disse: quero não.

Gelei e peguei fogo ao mesmo tempo. Virei uma estátua. Uma onda avassaladora de ódio me invadiu. Queria bater na mulher como se não houvesse amanhã. Queria parar de bater somente quando não tivesse mais força e olha que eu tava cheeeeia de força. Naquela confusão absurda do sentimentos eu respirei o mais fundo possível, tentando entender o que era aquilo que estava sentido. Confusa, insegura, agressiva.

Caramba! Estava no meio de uma crise de ciúmes. Logo eu, que nunca tinha sentido ciúmes de nada na vida. Família, amigos, namorados. Sempre lidei tão bem com relações. Dai a dificuldade de reconhecer o sentimento. Mas olha, foi uma sensação muito intensa.

Tudo aconteceu muito rápido. Tirei a Tamires da melhor forma possível do colo da pobre mulher gentil dizendo que estava tarde e precisávamos ir embora. Me afastei o mais rápido possível, antes que lhe arrancasse os olhos.

Fomos logo embora. Claro. Vai que aquela maldita sedutora de crianças viesse novamente para perto da MINHA filha e tentasse seduzi-la com uma cantiga de roda. Precisa proteger minha família daquela situação.

Essa foi uma das coisas mais bizarras que já aconteceu na minha vida. Nunca me senti tão ridícula. Quando penso na mulher ainda sinto um gosto de sangue na boca. Entendi na hora que precisava lidar com essa insegurança e o ciúme, esse horrível sentimento novo.

A Tamires havia acabado de ganhar uma mãe. Ela nem entendia direito o significado daquela palavra. O vínculo de família ainda estava se formando entre nós. Precisou de tempo. Dela, meu, do Age. Tempo até que eu percebesse que seria a mãe dela pra sempre, a única mãe dela. E que nem a mulher sorridente e nem nenhuma outra iria me substituir.

Ontem estivemos na festinha do aniversário da filha daquela amigo e a danada da mulher tava lá. Rimos, conversamos e tudo mais. A coitada não imagina a surra da qual escapou por muito pouco.

Adendo: Durante muito tempo pensei que essa parada tosca aconteceu porque a adoção é um processo e bla bla bla. Dai quando contei isso pra algumas amigas que tem filho biológico TODAS confessaram que já tiveram sentimentos toscos semelhantes hahahaha. Mãe é tudo igual mesmo!

Anúncios

Um comentário sobre “O dia que o Mike Tyson baixou em mim

  1. Cris, to rindo ALTO! Eu, como uma boa taurina, sinto ciúmes desde que nasci. Tipo assim, não chega perto do meu travesseiro que a porrada vai comer. Fui expulsa do colégio São Paulo, no Rio de Janeiro porque um dia uma infeliz garota da minha sala fez a seguinte brincadeira: Rafaela nos somos irmãs, descobri que seu pai foi namorado da minha mãe. Cris eu parti pra cima da menina como se fosse vida ou morte. Só conseguiram me tirar de cima da menina quando chegou o professor D educação física e 2 freiras! Kkkkk ciúmes do meu pai… E dai, vem o destino sambando na minha cara e me da 2 bofetadas: 1 filho homem e 1 marido que não tenho NENHUM ciúmes. ( não sei explicar, só freud mesmo) então, oque tenhobpra te dizer é: ciúmes controlado e bom e faz parte do amor! Conta pra Tamires que vc tem ciúmes e diz que ama muito ela, que isso e normal, todo ser humano tem, faz parte da gente! Brinca faz cosquinha e diz pra ela dizer 20 x : eu te amo mamãe! Hehehehe. ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s